Navegar para Cima

Notícias

Irmão Alfredo lança a obra Pensar a Educação na Pós-Modernidade

Livro foi apresentado aos colegas em evento de homenagem pelo Dia do Educador
11/10/2018
SUSTENTABILIDADE
Livro foi apresentado aos colegas em evento de homenagem pelo Dia do Educador

​Ser educador vai além de transmitir o conhecimento, mas contempla também a formação integral dos estudantes. Dada a importância dessa função, nesta quarta-feira (10/10) o grupo de educadores da escola se reuniu para um momento de partilha e vivência de oficinas. Na ocasião, o Irmão Alfredo Crestani, que atua como educador na escola, lançou o seu 5º livro: Pensar a Educação na Pós-Modernidade – O Cultivo da consciência planetária e ecológica. Na oportunidade, ele explicou os conceitos de sua obra e distribuiu autógrafos para os colegas. 

Segundo o Irmão, em 2013 ele fez um artigo, que foi usado em um momento de reflexão por professores. A grande temática que envolveu o início das suas escritas foi trabalhar as múltiplas dimensões do cuidado. A partir de 2014, quando o educador foi transferido para o Colégio Marista Graças, ele começou a aproveitar o tempo que tinha livre e daí surgiu o seu segundo livro. Dali em diante, foi um lançamento a cada ano. O mais recente, apresentado no evento desta quarta-feira (10/10), começou a ser escrito após a percepção de que o tema da educação na pós-modernidade era pouco abordado na literatura.

A obra trata da problemática educativa no dia de hoje – a antropologia emergente na pós-modernidade, onde o homem de gerações variadas se posiciona, pensa e tem percepções diferentes. As necessidades momentâneas também são abordadas, segundo o educador: “hoje, não se faz mais perguntas educativas e reflexivas, a necessidade do momento acaba predominando. É difícil construir uma dinâmica frente a essa sociedade consumista”, reflete.

Um dos capítulos aborda a educação dos sentidos. Conforme esclarece o autor, as pessoas não têm mais limite para nada: “é a era do não existe nada que não se possa. Eu tenho que ver, que ouvir. Mas nós temos que colocar limites, como por exemplo, não preciso ouvir aquilo que não me compete”, explica. 
A temática da obra gira em torno da ecologia como um todo. Para o Irmão Alfredo, a ecologia devia constar no currículo de qualquer escola, seja como disciplina ou tema transversal. Para ele, a ecologia da ação abarca todas as iniciativas, todos os olhares, deixando de lado o que não é construtivo e reaproveitando materiais que iriam para o lixo, por exemplo.

Conforme o Irmão, há a necessidade de processar uma educação que te faça feliz. Em um mundo com muitas alternâncias, é preciso aprender a se posicionar nesse mundo de forma positiva, contribuindo para que as pessoas sejam felizes: “para mim, essa é a formação harmônica. Servir-se dos bens do mundo atual de forma construtiva”, conclui. O pano de fundo da obra é, portanto, compreender a complexidade do mundo de hoje e viver de forma harmônica e sustentável.
DSC_0363.JPG