Navegar para Cima

Notícias

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA APRENDER MELHOR

A importância da alimentação balanceada no desenvolvimento e aprendizado da criança ou do adolescente.
27/12/2018
Saúde
A importância da alimentação balanceada no desenvolvimento e aprendizado da criança ou do adolescente.

Sabe-se que uma criança ou um adolescente bem alimentado tem mais disposição para viver e aprender. Além de contribuir na capacidade física, a alimentação balanceada favorece a atenção, a memória e a concentração, entre outras habilidades. Por isso, o ideal é apostar em pratos coloridos e nutritivos, tendo referências precisas e confiáveis. Uma delas é o Guia Alimentar para a População Brasileira, documento oficial publicado pelo Ministério da Saúde (confira algumas dicas no quadro ao lado).

Nele, as famílias encontram recomendações que vão desde a escolha dos alimentos e as formas de combiná-los adequadamente, até detalhes que envolvem o ato de comer, como o tempo dedicado ao preparo e ao consumo das refeições, a importância de se ter companhia nessas ocasiões e demais fatores que visam uma vida mais saudável. A escola também representa um significativo espaço de conscientização acerca dos cuidados alimentares e, portanto, deve atuar em parceria com os pais.

Alimentos in natura – ingredientes de origem animal e vegetal sem a adição de químicos ou de substâncias que alterem o sabor e a composição.

 

  • Frutas
  • Legumes
  • Verduras
  • Raízes
  • Tubérculos
  • Ovos

 

Alimentos minimamente processados – ingredientes in natura que, antes de sua aquisição, foram submetidos a alterações mínimas

  • Arroz
  • Feijão
  • Leite
  • Carne
  • Café
  • Farinhas

Alimentos ultraprocessados – nutricionalmente desbalanceados, têm substâncias sintéticas que proporcionam cor e textura mais atraentes, bem como um hipersabor que pode ser viciante.

 

  • Salgadinhos de pacote
  • Biscoitos recheados
  • Refrigerantes
  • Macarrão instantâneo

Fonte: Guia Alimentar para a População Brasileira

Hábitos dentro e fora de sala de aula

Para despertar o apetite dos estudantes sobre hábitos saudáveis à mesa, nos Anos Iniciais do Marista João Paulo II as aulas e atividades fundamentam-se em pesquisas que culminam em experiências para que as crianças possam analisar a rotina alimentar. Os estudantes do 2º ano, por exemplo, estudaram práticas que permeiam a Agricultura Familiar, investigando a origem dos alimentos, formas saudáveis de cultivo e aproveitamento. Após pesquisas e estudos, foram para uma chácara observar na prática o plantio e a colheita e de alguns alimentos estudados. Na oportunidade usaram bananas para a receita de um sorvete e reaproveitaram as cascas de banana ao fazerem um bolo. Vale ressaltar que além da reflexão sobre uma boa alimentação e o não desperdício de alimentos o fato da degustação, fomenta, nas crianças, ações de fato.“Nós aprendemos que reutilizar a casca de uma fruta é também uma boa ideia para fazer alimentos saudáveis", relata Daniel Mendes, do 2º ano A.

Nos Anos Finais, são promovidas outras iniciativas, como a sequência didática de Ciências da Natureza desenvolvida no 8º ano EF. Nessa atividade os estudantes foram orientados a registar, por meio de fotografias, tudo o que consumiram durante uma semana.  Posteriormente a isso, tiveram de identificar os nutrientes presentes em seus pratos e refletir sobre o equilíbrio de sua alimentação e como ela pode refletir no desempenho escolar. Por interesse dos estudantes, verificamos os processos de produção dos alimentos mais consumidos e quais os impactos ambientais, locais e globais gerados pela má alimentação e pelo desperdício alimentar.

Conforme Camila Salmazo, mãe do estudante Kauan Bocatto, do 8º ano, as aulas impactaram nos hábitos alimentares de toda a família “Não imaginava que uma aula de Ciências impactaria a rotina de nossa família. Quando o Kauan chegou em casa falando sobre alimentos, vitaminas, nutrientes e a importância para a saúde, ficamos tão empolgados que decidimos marcar uma consulta com um Endocrinologista. Confesso que tudo isso foi providencial e nos ajudou a ter mais consciência das escolhas que fazemos e como cada opção pode refletir positiva ou negativamente em nossa saúde!", reforça.