Navegar para Cima

Sobre

História

​​​​​​​​​​​​​O Início em 1906

Os Irmãos Maristas se estabeleceram em Passo Fundo em 1906. A cidade era pequena, contava com aproximadamente 4.000 habitantes, estendia-se na direção do Boqueirão, não havia indústria e o comércio era pequeno.​​​ ​

​​ Texto auxiliar da imagem
Colégio São Pedro na Passo Fundo de 1908

No curto período de 1906 a 1910, os Irmãos mantiveram e dirigiram a Escola Primária São Pedro, que funcionava em casas alugadas na Av. Brasil e tinha um convênio com a Prefeitura, que subsidiava os alunos.​

​​ Texto auxiliar da imagem
Colégio funcionava em casas alugadas na Avenida Brasil

Quando a Prefeitura suspendeu a ajuda, as famílias não tinham condições de arcar com as despesas relativas às mensalidades e a escola não conseguia se manter sozinha.

Quando os Irmãos Maristas deixaram Passo Fundo, a Escola Primária São Pedro ocupava uma casa onde se encontra atualmente a Escola Círculo Operário.​

O Retorno em 1929

Em fins de 1928, a Província Marista do Rio Grande do Sul adquiriu o Colégio Nossa Senhora da Conceição, fundado pelos Padres Palotinos em 15 de junho de 1914. O Colégio localizava-se na Rua Teixeira Soares, atual edifício Conceição, nº 849, nos fundos da Igreja Matriz e em frente ao Hospital São Vicente de Paulo.​

Texto auxiliar da imagem   
 
Ginásio Conceição onde hoje é o Edifício Conceição

Em 1º de março de 1929 nascia definitivamente a presença Marista na cidade. Quatro Irmãos Maristas foram enviados para Passo Fundo, Irmão Emílio César, Diretor e Professor, Irmão João Evangelista, Vice-diretor e Professor, Irmão João Cláudio, Ecônomo e Professor e Irmão João Marcos, Professor. Os Irmãos deram continuidade ao Colégio e introduziram grandes modificações administrativas, oferecendo Educação Infantil e Curso Ginasial. Em 1936, o Curso Técnico de Contabilidade correspondia ao Ensino Médio, com a vantagem de, ao receber o diploma, o formando ter o direito de exercer a profissão, amparado por lei.

No Ginásio, havia alunos no regime de externato para os provenientes da cidade de Passo Fundo e alunos de regime de internato para os de outras cidades. Para substituir o serviço militar obrigatório, realizado em quartel do exército, a legislação vigente autorizava outra modalidade de prestação desse serviço. O Colégio fundou oficialmente a Escola de Instrução Militar, exclusivamente para alunos com idade de prestação de serviço militar.

Para o aprimoramento dos alunos, principalmente os alunos do Curso Comercial, foi criada a Escola de Datilografia, muito concorrida na época. Aos alunos dos cursos da Educação Infantil, Primário e Ginasial, havia aula nos períodos da manhã e da tarde, com um intervalo de uma hora e meia para o almoço. O primeiro horário da manhã era considerado nobre, os alunos participaram diariamente de meia-hora de ensino religioso, com momento para a oração matutina. Como a escola não possuía Capela, só dispunha de um pequeno oratório, as orações aconteciam quase todas na Matriz Conceição, havia um caminho interno, facilitando o acesso à Igreja.

​​ Texto auxiliar da imagem
Alunos se reuniam para oração e momento cívico

Eram 12 os alunos da primeira turma de concluintes e os resultados obtidos por eles já reforçavam o ensino de excelência do colégio. Os concluintes, inscreveram-se ao concorrido vestibular na Universidade Federal de Porto Alegre, única existente no Rio Grande Sul. Dois deles obtiveram aprovação em Medicina e 7 em Direito, os 3 que não obtiveram aprovação, conseguiram no vestibular do ano seguinte, também em Direito.

A Construção do Novo Prédio

Com a eficiência do ensino, da formação integral e da responsabilidade social alicerçadas em valores evangelizadores, havia constante aumento de alunos e surgiu a necessidade de mais espaço.​

Texto auxiliar da imagem     
Construção vista da esquina da rua Paissandu

A pedra fundamental do novo Marista Conceição, situado à rua Paissandu, foi lançada dia 10 de dezembro de 1943. Dom Antônio Reis abençoou a construção que ali iniciava. Em 26 de setembro de 1947 o "Velho Conceição" foi transferido para o novo prédio, que na época foi denominado pelo povo de "O Colosso da Paissandu".

Texto auxiliar da imagem
Vista das ruas Paissandu e Fagundes dos Reis na década de 50

O "Velho Conceição" foi transferido através de solene caminhada, à noite, despedindo-se do prédio antigo e seguindo pela Rua Teixeira Soares e pela Avenida Brasil, com a participação de Irmãos, professores, alunos e comunidade carregando lanternas luminosas.

Com a ida para o "Novo Conceição", um prédio amplo e moderno, com magnífica capela, todas as funções se realizavam no Colégio.

Um pouco de história

De 1929 a 1951, o Colégio teve o nome de Ginásio Nossa Senhora da Conceição, que oferecia Educação Infantil, Primário, Admissão, Ginasial (com a Reforma do Ensino de 1938, o Curso Ginasial passou a ter 4 anos e o Pré passou a denominar-se Curso Colegial, de 3 anos).​

​​ Texto auxiliar da imagem
Desfile da Mocidade em 2 de setembro de 1956

No decorrer dos anos de 1929 e 1930, foram abertos dois cursos comerciais, Guarda Livros e Propedêutico. Em 1936, os dois cursos foram aglutinados no Curso Técnico de Contabilidade, que funcionou até 1983.

O Grupo de Escoteiros Cariris foi fundado na década de 40 e posteriormente foi desarticulado. Em 1965, sob o comando do Irmão Sireno Romano Conti e Irmão Dealmo Valentim Lunkes, foi reativado. Os escoteiros eram os alunos que ingressavam no grupo e passavam por provas para tornarem-se escoteiros. Recebiam então o uniforme, o lenço e o chapéu, em solenidade que contava com todos os irmãos maristas e os pais dos escoteiros. Os acampamentos duravam três ou quatro dias e colocavam os escoteiros à prova, com torneios de nós, provas atléticas e de culinária.

Nas reuniões, realizadas duas vezes por semana, os escoteiros contavam as boas ações que haviam praticado e eram aplaudidos pelos demais. Os chefes ensinavam o civismo, patriotismo, as boas maneiras e a prática do bem comum.

Em 1952, criou-se o Curso denominado Colegial, desdobrado em Científico e Clássico. No ano de 1952 o Colégio passou a ter o nome de Colégio Nossa Senhora da Conceição – Escola de 1º e 2º Graus.​

​​ Texto auxiliar da imagem
Desfile Júbilo de Prata em 16 de outubro de 1954

Em 1971, com a Reforma do Ensino, houve junção do Curso Primário com o Curso Ginasial, constituindo o Ensino de 1º Grau de 8 anos.​

O Curso Colegial, também denominado Científico, passou a ter o nome de 2º Grau, com a Terminalidade: Auxiliar de Contabilidade, essa sendo extinta em 1987.​​

​​ Texto auxiliar da imagem
Vista do colégio nos anos 80

Em 1997, o 1º Grau passou a ter a denominação de Ensino Fundamental e o 2º Grau passou a ter a denominação de Ensino Médio.

Em 2000, o Colégio passou a denominar-se Colégio Marista Nossa Senhora da Conceição e em 2004 quando completava 75 anos, passou a ser designado pelo nome Colégio Marista Conceição. O processo ocorreu em todos os colégios da Província Marista do Rio Grande do Sul.

Em 2007, a Educação Infantil passou a ser dividida por Níveis e em 2008 iniciou-se o 1º ano do Ensino Fundamental de 9 Anos, que vai aumentando gradativamente, desta forma extinguindo gradativamente as séries do Ensino Fundamental de 8 Anos.​​

O primeiro Diretor foi o Irmão Emílio Cezário, que atuou de fevereiro de 1929 a dezembro de 1932. Atualmente o Irmão Márcio Allebrand é quem está à frente do colégio, desde 2016.

Ao todo, 18 diretores já passaram pelo Marista Conceição:

​Irmão Emílio Cezário

Fevereiro de 1929 a dezembro de 1932

Irmão João Rafael

Fevereiro de 1933 a janeiro de 1936

Irmão Tomás de Vilanova

Fevereiro de 1936 a fevereiro de 1937

Irmão Paulo Norberto

Janeiro de 1937 a dezembro de 1943

Irmão Cipriano (Lourenço Rech)

Janeiro de 1944 a 20 de fevereiro de 1948

Irmão Paulo Maria

Fevereiro de 1948 a 1º de fevereiro de 1952

Irmão Vendelino (José Weiand)

Fevereiro de 1952 a 1º de feveveiro de  1954

Irmão Gelásio (Oscar Mombach)

2 de fevereiro de 1954 a 17 de janeiro de 1960

Irmão Genésio Maria (Carlos Mombach)

18 de janeiro de 1960 a 22 de fevereiro de 1966

Irmão Salvador Durante

23 de fevereiro de 1966 a 7 de julho de 1967

Irmão Sebastião Antunes Ribeiro

8 de julho de 1967 a 22 de fevereiro de 1971

Irmão Sérgio Martini

23 de fevereiro de 1971 a 16 de agosto de 1973

Irmão Dealmo Valentin Lunkes

17 de agosto de 1973 a 18 de fevereiro 1978

Irmão Lauri Antônio Gazoni

19 de fevereiro de 1978 a 2 de fevereiro de 1981

Irmão Reimídio Schwaab

3 de fevereiro de 1981 a 28 de fevereiro 1984

Irmão Lauri Antônio Gazoni

1 de março de 1984 a 15 de janeiro de 1985

Irmão Reimídio Shwaab

15 de janeiro de 1985 a 30 de janeiro de 1991

Irmão Acádio João Heck

31 de janeiro de 1991 a 30 de janeiro de 1996

Irmão Reimídio Scwaab        

31 de janeiro de 1996 a 30 de janeiro de 1998 

Irmão Luiz José Gerhardt

31 de jan. de 1998 a 04 de jan. de 2004

Irmão Onorino Moresco

5 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro 2009

Professor Adenir de Britto

1 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2010

Irmão Genuíno Benini

1 de janeiro de 2011 até 02 de abril de 2016

​Irmão Márcio Allebrand

03 de abril de 2016 até o momento​


Referências Bibliográficas:

Anais do Colégio - Livros Tombos números 1 e 2 da Paróquia Nossa Senhora da Conceição.
Aspecto Histórico de Passo Fundo - Francisco Antônio Xavier de Oliveira
Passo Fundo Terra de Passagem - Ney Eduardo Passapp d´Avila
Passo Fundo Presente na Memória - Fernando B. Severo de Miranda e Ironita P. Machado
Passo Fundo Através do Tempo - Delma Rozendo Gehm
Primeiros Passos Para Conhecer a História de Passo Fundo - Academia Passo-fundense de Letras